Grêmio encara o lanterna sem tirar o olho do líder

Depois do degaste mostrado pelos titulares no segundo tempo do jogo contra o Santos, o técnico Renato certamente pouparia muitos jogadores na partida da noite desta quarta-feira, contra o Atlético-GO, em Goiânia.

Ficará apenas nos que nāo têm condiçōes.

É que a distância de oito pontos para o líder Corinthians e a aproximaçāo do Santos nāo permitem mais descuidos, a duas rodadas do fim do primeiro turno. Nada de desperdiçar pontos nesta altura do Brasileirāo.

Assim, todos que estāo em condiçōes físicas adequadas enfrentam o lanterna do campeonato (meros 12 pontos ganhos). Entre eles, nāo estarāo Lucas Barrios, ainda em processo de recuperaçāo, e Luan, um dos jogadors mais desgastados do grupo. Além disso, Renato nāo poderá escalar Edílson e o central Pedro Geromel,  que cumprem suspensāo.

Renato pode até poupar outros, caso médicos e fisiologistas recomendem, mas em princípio ficará em poucos.

O jogo começa às 21h45min.

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Brasileirão, Grêmio e marcado , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Grêmio encara o lanterna sem tirar o olho do líder

  1. Rodrigo R. disse:

    Ainda renato que tivesse o time completo, não deveria colocá-lo todo nesse jogo. O Grêmio, deve apenas colocar o suficiente para ganhar num jogo como esse. Assim se pontua e se poupa time. Trocas seis por meia dúzia sem inventar, reservas que saibam melhor copiar os titulares mantendo as funções, para isso se treina também.

    Enfrentar times do Z4 não é (ou não pode) ser difícil, difícil é a outra ponta da tabela, como equipará-las? São os famosos motivados que perdem motivados e complicam times de meio de tabela não os do alto. Eis uma característica dos campeões: não deixam times ruins se criarem, os colocam em seu lugar. Então é difícil de uma ponta a outra e todos os pontos são perdíveis? Se é assim que jogue a Segundona, lá só tem jogo jogado, como diz o 66. A outra ponta, a de cima, é feita de times que estão no alto não por nada, mas por virtudes que os tornam difíceis de serem batidos.

    Time de Z4 não é time de Z4 por nada, é time de z4 porque tem severas deficiências, não existe esse negócio de desesperado ficar difícil, ainda mais diante dos melhores, mesmo times de tradição desesperados, caso do São Paulo, que busque suas vitórias e recuperações contra times do meio de tabela e concorrentes, esses são seus adversários; se o SPFC perdesse do Grêmio, isso estaria na conta deles, e ainda sairiam aplaudidos pelo esforço, não contavam com coisa diferente, jogariam motivados e perderiam motivados: não ofereceu perigo algum e deixou a defesa aberta, não porque quis mas por ruindade, pedindo para ser atacado pelo ataque do Grêmio que renato esvaziou. O Grêmio não se impôs, como nunca terá imposição, fora de casa ao menos, com quatro meias de origem na volância; com quatro fica pesado demais, é preciso que pelo menos um seja meia mesmo, de origem, ágil e habilidoso, com criatividade (e o Grêmio não tem isso) ou o time é empurrado para trás, porque é mais fácil para o adversário avançar contra times de marcação lerda: músculos não se impõem, mas técnica na marcação e velocidade colam no adversário.

    O Grêmio precisa ser rápido, com velocidade compensa falta de criatividade com sobras, e ainda tem marcação mais rápida, que toma a bola em menos tempo, antes de ser empurrado muito para trás, no que se defende melhor. Mas só a presença do ataque titular fixa em três o número de meiocampistas – felizmente Luan, Barrios e Rocha são intocáveis, que esse trio descanse ou jogue um tempo só em jogos jogados, porque eles salvarão o Grêmio da pardalice nos jogos mais complicados, impondo Michel, Ramiro e Arthur.

  2. Rodrigo R. disse:

    Barrios fora de novo, mas não fez mais falta que equilíbrio em qualquer desses jogos onde desfalcou “perdidos” de 1×1 depois do Vitória, e assim será hoje, com ele novamente fora. Nesse jogo não faz falta.

    Maicon deveria fazer nova pré-temporada, é uma mala pesada sem alça e sem rodinhas para o time, vagão a ser carregado pelo time (hoje sim até poderia ser colocado dada a facilidade, como no Paraná deveria jogar, jogar onde não há riscos para quem sabe se recuperar desses 6 meses parado em 8) e se não entrar no ritmo ágil do time soltando a bola mais rápido, não sabendo o que fazer com ela assim que a tem e não começar a “pensar” num passe só quando a recebe, não se deslocando com mais velocidade então será só um estorvo, e nem serviria como um reserva para cadenciar a bola em jogos com o time vencendo porque com ele em campo o time não ganha cadência boa, apenas recua de forma paquidérmica com 4 e ganha um buraco com menos que isso e aí sim corre risco, ainda que o adversário só use chuveirinho, que o coloquem a treinar em jogos moles.

    Se o Grêmio precisa de Barrios para ganhar do Atlético-GO é problema sério.
    Se Maicon consegue impedir a vitória contra o Atlético-GO é um problema sério.

    Espero que se o Grêmio e o Corinthians ganharem não me venham os dirigentes e renato com a velha conversa: “estamos pontuando mas o Corinthians não está dando chance”… Aí é “pracabá” com todos esses pontos perdidos em rodadas em que os paulistas tropeçaram. O velho discurso que se ouve há anos contra o próprio Corinthians/2015, Cruzeiro/2013 e Fluminense/2012, do alto de uma infinidade de rodadas não aproveitadas.

  3. 66 disse:

    Joguinho bom pra um crime.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s