Dica de segunda-feira

Fome de Poder, de John Lee Hancock, não é apenas a história de uma das marcas mais conhecidas do mundo. É também um bom caminho para entender a forma de ação por vezes agressiva, nem sempre leal, do capitalismo americano. O filme mostra a vida de um discreto e nada bem-sucedido vendedor que, aos 52 anos, descobre uma pequena lanchonete em San Bernardino, Califórnia, que é um fenômeno de eficiência. A partir de uma estrutura criada pelos irmãos Richard e Maurice Mac MacDonald, ele forma uma rede de franquias que poucos anos depois estaria espalhada pelo país e com faturamento de milhões de dólares. Aos poucos, ela tomaria também o mundo. E os irmãos? Eles acabam atropelados pelo ritmo do sistema capitalista. Vale conferir.

Confira o trailer:

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Dica de segunda-feira e marcado , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Dica de segunda-feira

  1. Maurício disse:

    Pô, assisti ontem à noite no Netflix. Nunca curti muito o Keaton, mas este e Birdman o fizeram subir no meu conceito. Até fiquei mais a fim de ver o Spotlight.

  2. Rafael disse:

    Aparentemente o editor viu o filme mas não entendeu o que realmente ocorreu. Foi Ray Kroc, e não os irmãos McDonald, quem realmente criou a modelagem do negócio, transformando-o num empreendimento lucrativo e de produção em massa. Foi ele quem de fato correu todos os riscos e se mostrou capaz de conseguir todo o financiamento para que sua enorme, ousada e totalmente inovadora empreitada seguisse em frente. Quanto aos irmãos MacDonald, continuaram com o negócio do mesmo tamanho de sua ambição e de seu tino comercial, restrito a uma única loja. Eles tiveram uma boa ideia de produção rápida e padronizada de lanches, mas careciam de conhecimento e perspicácia para expandir o negócio, como aliás tentaram montar sua rede de franquias, sem sucesso, antes de conhecerem Ray Kroc. Admito que ele cometeu deslizes éticos no transcorrer de seu relacionamento com seus sócios, mas o fato é que o acordo entre eles era meramente verbal, o que por si só o fragiliza. Mesmo assim, o risco foi totalmente assumido por ele e o negócio poderia ter redundado num estrondoso fracasso, algo relativamente comum em redes de franqueados. Nada mais justo que ele próprio receba os méritos de seu sucesso.

    • mariomarcos disse:

      Evidente que foi o kroc que transformou a lanchonete original em uma rede de sucesso. Nāo precisa ser gênio para entender isso. Mas os donos da marca e, principalmente, os criados do sistema de atendimento râpido, com custos reduzidos, sem desperdício de pratos e talheres, com uma espécie de linha de produçāo bem ajustada, foram os irmāos. O Kroc viu a chance para um grande negócio e como tinha a ousadia que faltava aos irmāos transformou a rede em uma potência.

      • Rafael disse:

        Nada a lamentar, portanto. Cada qual conquistou o quinhão proporcional a seu talento e sua visão do negócio. Por sinal, é uma história muito parecida com a de Mark Zuckerberg. Pode-se até questionar que os criadores originais tivessem que ter talvez uma retribuição maior, mas é inegável que a imensa maioria do mérito é de Zuckerberg, tal qual é de Ray Kroc.
        E nada de criticar o sistema, muito pelo contrário. Uma ascensão desse nível, baseada no mais puro empreendedorismo, gerando milhares de empregos e fornecendo comida de boa qualidade a preços razoáveis, altamente aceitos pelo consumidor (o real julgador no mercado), somente é possível numa economia livre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s