Inter: por que a ideia de Zago não teve sucesso?

Certa vez, em meio a um debate, perguntaram ao ex-lateral Júnior, que teve boa passagem pelo futebol italiano, por que o jogador argentino tinha mais facilidade para se adaptar ao padrão dos times europeus do que o brasileiro.

– Porque os brasileiros têm dificuldade para cumprir função tática – resumiu Júnior. – Em dez minutos de jogo, ele já esqueceu o que foi combinado no vestiário. O argentino, não, ele vai até o fim.

Torcedores que foram ao Beira-Rio no sábado ou que assistiram ao confronto com o ABC pela televisão tiveram uma demonstração prática do que isso significa.

Antônio Carlos Zago escalou três atacantes, motivado pela estreia de Pottker, e a exemplo da própria torcida, esperava ver o time chegar a uma vitória tranquila.

O Inter teve bem mais chances de gol, é verdade, abusou de perder chances, mas desde os primeiros minutos da partida ficou evidente que alguma coisa não funcionava no meio-campo. Com poucos jogadores no meio, o time simplificava muitas vezes, abusando dos cruzamentos, porque faltava organização.

A decepção foi tão que no fim a torcida protestou, vaiou e pediu a demissão do técnico. Não perdoou o fato de ele não ter percebido os problemas a tempo.

E por que deu errado? Porque na maior parte do tempo os atacantes não conseguiam fazer a chamada recomposição.

Há vários casos bem-sucedidos de times que jogam com três atacantes no futebol mundial, sem prejuízos para o trabalho de meio-campo, sem fragilização do sistema defensivo e sem que os ataques fiquem prejudicados. É a tal da consciência tática – ou cultura tática, como definiu Falcão anos atrás.

Por isso, é praticamente certo que Zago vai desistir da ideia já no jogo de sábado, contra o Paysandu. Ele sabe que não pode arriscar no campeonato mais importante do Inter na temporada.

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Inter e marcado , , , , . Guardar link permanente.

15 respostas para Inter: por que a ideia de Zago não teve sucesso?

  1. Maurício disse:

    Tá fedendo a retorno do Loverson.

  2. CAMPEÃO DE TUDO disse:

    Eu não estou vendo ninguém na mídia esportiva falar o óbvio: a falta de convicção da dupla da casamata. Com quase meio ano de trabalho não se tem um esquema tático definido, não se tem uma escalação definida e nem padrão de jogo. Muda a cada partida e às vezes dentro da própria partida. Nenhum colorado sabe qual será o esquema tático, nem os jogadores e tampouco a postura do time em campo. A única certeza que temos é que o Roberson vai jogar em um determinado momento!

    Logo, não se pode culpar os atletas por terem dificuldade de cumprir com um esquema tirado da cartola de última hora. Que não está sendo treinado a mais tempo. Uma lição básica do futebol é que ele é repetição. Trocar de esquema toda a hora e achar que o grupo vai cumprir taticamente não é razoável.

  3. 66 disse:

    CT, ele tem um esquema definido. Três volantes, RDA e dois atacantes.
    Quem mandou o clube disponibilizar mais atacantes??
    Com a chegada do Pottker, pra mim o ataque é ele e mais UM. Seja o Cirino ou seja o Nico.
    Se ele quiser escalar 3 atacantes, o terceiro tem que ser o Brenner, pra não embolar o ataque. Fica cada um de um lado e o Brenner centralizado.
    Tendo Cirino e Pottker, dois atacantes de altíssima velocidade, o Inter poderia jogar como nos tempos de Taison e Nilmar ( que saudade dessa dupla ). Aliás, a última vez que eu realmente gostei de ver um time do Inter em campo. Tínhamos um contra-ataque rápido e podíamos manter o meio-campo mais recheado, com jogadores que se complementavam. Um volante ( Edinho e depois Sandro ) que hoje deveria ser o Dourado. Um segundo volante mais movediço, que seria o Edenilson ou até mesmo o Uêndel. Outro meia que faria o mesmo que o Magrão, que de novo poderia ser o Uêndel ou o Edenilson mais o eterno RDA.
    E era isso.
    Quem sobrar, que aguente. Todo mundo terá oportunidade e que jogue quem estiver melhor.

    As credenciais do WordPress.com / Gravatar.com podem ser utilizadas.

    • 66 disse:

      Faltou dizer que o segundo volante mais movediço ( bela palavra ) era o Guinazu e antes foi o Tinga.

    • CAMPEÃO DE TUDO disse:

      Pode até ter sido o mais utilizado mas está longe de ter tido continuidade, sequência, tanto do esquema quanto da escalação.

    • Carlos disse:

      Vejam com detalhes uma das três ultimas partidas do Grêmio e podem observar o que é time bem treinado e com funções muito claras, definidas e CUMPRIDAS. E de graça !!!

  4. Ricardo disse:

    O problema é o “intelecto” da maioria da bolerada.

  5. INTERminável COLORADO disse:

    Não deu certo porque perderam um caminhão de gols.

  6. Diego disse:

    Deixem o Espermatozago trabalhar.

  7. analista disse:

    Tem que ver as características dos jogadores. Não vejo em nenhum dos três atacantes a qualidade, o hábito, a tendência, o jeito, para serem, também, articuladores e municiadores do sistema ofensivo. Recompor, por si só, não basta! Tem que haver troca de posições, auxílio na armação, jogadas ofensivas e posicionamento defensivo, claro. É como os tais três volantes. Se não tiverem capacidade de armação, de dar assistências, de entrar na área adversária e concluir a gol com qualidade, também não vai dar certo. Ora, é o básico. Vc tem que ter atletas com funções e aptidões que propiciem ao time defesa – armação – ataque… isso que importa, e, no time do Inter, nem os três volantes e nem o esquema com três atacantes supre isso com qualidade… no meu modo de ver é a falta de MEIAS com qualidade para ajudar o Dalessandro que causam toda essa problemática. Mas o Inter prefere contratar dez atacantes ao invés de arrumar meias de alguma qualidade… daí dá nisso!

    • 66 disse:

      Vamos trazer o Seijas de volta.
      Por isso que eu queria o Luan no time do Inter. É o jogador que não temos e a torcida deles não gosta.
      O RDA já não dava conta antes, o que dirá agora. Ele precisa de parceria.
      O meu esquema preferido aqui e no Cartola é o 4x4x2. O bom e velho quadrado no meio-campo. Lugar onde se decide a partida.

      • analista disse:

        Pois é… Mas o Zago arquiva os caras… vide Eduardo, Charles, Klauss… Seijas jamais foi sequer escalado junto com o Dale e volantes mais fortes atrás, por exemplo… E um time sem meias empresta o único que ainda poderia, de alguma forma, auxiliar nesse setor… É por esse amor incondicional aos volantes que o Inter não ganha nada há muito tempo.

  8. 66 disse:

    Maicosuel por Valdívia??
    Aceitaria na hora.
    Acho que cairia como uma luva nesse time do Inter e seria um jogador muito parecido com o Luan.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s