Todos em ordem

(Reproduzido de @fujadakaverna)

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Gente e marcado , , , . Guardar link permanente.

33 respostas para Todos em ordem

  1. Maurício disse:

    Incrível, mas houve até quem reclamasse de ‘greve em dia útil’.

  2. Fred O Calmo disse:

    Paralisação?
    Greve geral?
    Sei.

  3. Fred O Calmo disse:

    Não entendi a decisão de fazer “greve” na véspera de um feriadão.
    Parece coisa de vagabundo mesmo, gente que não gosta de trabalhar e quer viver às custas do trabalho alheio.
    Vagabundo fazendo greve é novidade. (2)
    Mas eu sou burro mesmo e não entendi prá que queimar pneu e desperdiçar gasolina (já é cara, porra, prá que botar fora?)
    Também tenho dificuldades em entender por que uma pessoa, para defender um suposto direito, impede na marra o direito de outro.
    Colocam fogo, criam barreiras e barricadas, fazem uma gritaria e ninguém pode passar.
    Nem mesmo a mulher que está em trabalho de parto ou o velho enfartado (eis-me legislando em causa própria e de alguns aqui do blog).
    Mas vale tudo pela causa.
    E ainda existem pessoas que acreditam que a kgb acabou.

    • Campeão FIFA disse:

      Desculpa aí Fred, mas tá parecendo mesmo que tu é burro.

      • Fred O Calmo disse:

        Talvez possas me ajudar me esclarecendo.

      • Fifaldino disse:

        kkkk!!!!!!!

      • Maurício disse:

        O último a assumir ter ‘dificuldades’ com coisas simples por aqui foi o multi… Bueno, não seria surpresa alguma.

      • Campeão FIFA disse:

        Olha Fred
        Greve pressupõe prejuízos.
        Mas você passa a impressão de que vê o mundo pelos olhos dos donos do poder. A mídia que patrocinou o golpe e agora colhe os frutos, minimiza e criminaliza a greve. Não me surpreenderia se você defendesse o processo hediondo que o país atravessa com o argumento de que são medidas amargas mas tinham que ser tomadas e que esse governo está sendo corajoso em tomá-las, etc. Subliminarmente é o
        que a mídia te diz tos os dias, tipo: “tinha que mexer”
        Como não nos conhecemos, é possível que você tenha isso claro e mesmo assim defende por que vem ao encontro do que pensa. Isso é outra coisa. O que não dá para aguentar é a defesa de medidas que só são boas para o famoso 1% dominante como se fossem boas para o conjunto da sociedade.

      • Campeão FIFA disse:

        Algo me dizia que iria me arrepender.
        De qualquer maneira parei de ler na pergunta “que direito trabalhista foi mexido”?

    • mariomarcos disse:

      Desde o século passado, greve é assim. Ela perturba o ambiente, sacode o comodismo, se faz notar. Greve que não faz isso não é greve. E nao estou falando de excessos, que fique bem claro, até porque fico espantado que até kgb surgiu na conversa.

      • Fifaldino disse:

        Bah!! Essa da KGB foi constrangedora mesmo. Ainda que o autor seja um reconhecido “desprivilegiado intelectual”. É demais!!! Ehehe….

      • Rafael disse:

        Eu acrescentaria que greve sem povo não é greve. Mais parece um toque de recolher.

      • mariomarcos disse:

        Ah, sim, tu achas que aquelas grandes concentrações eram o quê?

      • Fred O Calmo disse:

        Mas é impressionante como os privilegiados intelectualmente insistem em não viver a realidade e sim um sonho bobo de igualdade.
        Greve é feita por trabalhadores, desde sempre.
        Agora, sair queimando pneus e promovendo badernas e quebradeira, me parece coisa de vândalos que não aceitam o contraditório.
        Meia dúzia de sindicatos decidem uma greve e quem é contra apanha.
        Que belo exemplo de democracia dada por eles.
        Quanto à citação da kgb, apenas mudou de nome. Sugiro maiores estudos antes de criticarem.
        Fifaldino, eu poderia usar o argumento de autoridade contra o teu ad hominem, mas acho que não compreenderias e não vejo motivos para tua “mariadorosarisse”.
        O que me espanta é a defesa de uma “greve” para defender o imposto sindical, pois qual direito trabalhista foi mexido?
        Greve não é sinônimo de baderna; quando vão entender isso?
        “Eu acrescentaria que greve sem povo não é greve. Mais parece um toque de recolher.” (2)

      • mariomarcos disse:

        Greve sempre precisa de lideranças. Não surge de uma hora para outra porque alguém, em uma esquina, decide.

      • Fred O Calmo disse:

        Ah! Prefiro ser desprivilegiado intelectual do que massa de manobra ou idiota útil a ser descartado no futuro (mas para dominar esse conceitos, sugiro a leitura de Lênin, coisa que não parece ser comum entre a esquerda tupiniquim, que prefere milhares de direitos trabalhista em vez de um emprego).

      • mariomarcos disse:

        Estás enganado de novo, para variar. A massa de manobra está bem formada, evidente, desde que gente alienada, incapaz de entender o que ocorre, foram atrás dos Katiguri da vida e do pato da Fiesp. Isso sim é ser idiota útil.

      • Rafael disse:

        O setor produtivo não estava representado. As concentrações se restringiram aos parasitas de sempre.

      • mariomarcos disse:

        Ah, sim, aquelas multidões que vi ocupando avenidas eram apenas formadas por parasitas. Opiniões como esta me fazem perder a esperança.

      • Rafael disse:

        Essencialmente sindicalistas e funcionários públicos defendendo seus privilégios. Ou seja, a fina flor do parasitismo nacional. Os verdadeiros trabalhadores foram impedidos de ir ao trabalho.

      • mariomarcos disse:

        Não é verdade, mas sei que vais continuar afirmando isso. Até porque é a tua forma de pensar. Não muda.

      • Rafael disse:

        Chamar sindicalistas e funcionários públicos de parasitas é minha opinião, pode colocar na minha conta. Porém, sobre a pouca pluralidade nas manifestações, isso é fato indesmentível, facilmente constatável, gostem ou não.

      • mariomarcos disse:

        Perfeito. Isso me faz lembrar da época em que as empresas tentavam desmoralizar as decisões das assembleias de funcionários porque ‘apenas’ 200 ou 300 pessoas tinham tomado uma ou outra decisão. Como fosse possível reunir em um debate todos os integrantes de uma categoria. Representatividade é assim, aqui e em qualquer lugar do mundo.

      • Rafael disse:

        Eu não questiono os resultado das assembleias.
        Apesar de ressaltar a relativa pequena quantidade de pessoas no evento para justificar a magnitude propalada pelos seus apoiadores, enfatizei nas últimas postagens que havia pouca diversidade na greve, pois os manifestantes representavam basicamente apenas dois grupos — sindicalistas e funcionários públicos.
        Essa disputa de narrativas cansa, pois a mobilização ficou abaixo da expectativa de seus organizadores, mas isso eles dificilmente admitirão. Aí, o debate se esgota.
        No entanto, passada uma semana, poucos ainda tocam do assunto, mesmos os apoiadores da paralisação. É muito sintomático e já percebido pelo Congresso.

  4. CAMPEÃO DE TUDO disse:

    Não vamos nos esquecer de que os políticos que nos roubaram por décadas e ajudaram a quebrar o país agora só estão pensando no bem do povo e em consertar o país!

  5. Fred O Calmo disse:

    Se Lênin for muito árido para essas mentes superiores, sugiro Ion Mihai Pacepa.

  6. Maurício disse:

    Peraí que eu também vou procurar um nome legal na wiki pra postar aqui…
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s