O difícil retorno ao trabalho na dupla Gre-Nal

A volta aos treinos na quarta-feira mostrou que os profissionais de Grêmio e Inter não teriam qualquer condição de trabalhar na terça, dia em que todos foram impactados pelo acidente com o avião da Chapecoense, perto de Medellín. A morte de amigos, parceiros, companheiros de profissão deixou jogadores e técnicos arrasados.

No reinício dos trabalhos foi assim: lamentos do técnico Lisca e do zagueiro Ernando no Beira-Rio, choro incontrolável de Renato (a ponto de se ver forçado a interromper a entrevista) na Arena. Todos falaram das perdas e do drama das famílias.

Ernando:Ainda estou em choque

Ricardo Duarte/Divulgação InterÉ uma angústia que fica por dentro. São pessoas com quem a gente jogava contra, assistia, torcia. As pernas ainda tremem ao pensar na tragédia, no desespero de todo mundo. Não tem como esquecer. Na próxima viagem, pensarei, por mais que seja ao Rio de Janeiro. Você pensa “será que vale a pena ficar longe dos familiares sem saber que voltará?”. Mas não é só conosco. É com todo cidadão. Você não sabe se voltará em razão de um acidente, um assalto.

Renato: ‘Todo mundo é Chapecoense’

Lucas Uebel/Divulgação GrêmioNa Arena, logo depois dos primeiros treinos (em que os jogadores fizeram um minuto de silêncio em homenagem aos mortos no acidente), o técnico Renato Portaluppi já surpreendeu ao chegar à sala de imprensa vestido com a camiseta número 18 da Chapecoense. Abalado, disse que foi tão difícil falar que recusou todas as entrevistas da terça-feira para reforçar os depoimentos sobre a tragédia. Não saberia o que dizer.

Um dia depois, ainda comovido, falou no assunto – e em certo momento, ao fazer uma relação com a morte de seu pai, caiu no choro. Ao parar, decidiu encerrar a entrevista.

– Ainda estou abatido pela tragédia que aconteceu. Até porque no Grêmio com certeza eu seja a pessoa que mais trabalhou com pessoas da Chapecoense. Foi uma coisa muito ruim, muito triste. É uma maneira de homenagear o clube, a torcida, todas as pessoas usando a camisa da Chapecoense. E é difícil falar nessas horas. Se eu estou sofrendo aqui, pessoas do Brasil e no mundo todo, eu imagino o sofrimento destas famílias. Por um conforto às famílias, palavras de que são e sempre vão ser heróis, pais de família, jornalistas, o que posso fazer de minha parte é meus sentimentos a todos. Cada um procura homenagear as pessoas da sua forma. Importante é que não temos clube, cor, todo mundo é Chapecoense, todo mundo veste o verde. As homenagens que o mundo todo está prestando à Chapecoense.

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Grêmio, Inter e marcado , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para O difícil retorno ao trabalho na dupla Gre-Nal

  1. Pingback: O difícil retorno ao trabalho na dupla Gre-Nal « Sul21

  2. Adorador de futebol disse:

    Mário.
    A internet tá pegando fogo com a tragedia da Chape, e nisto tudo, a fala do Fernando Carvalho e a ação no STJD, denegriu imensamente a imagem do inter. Teve ainda o tal jogo do sub 17 com comemoração em pleno luto estabelecido pela CBF. Realmente uma aula de como destruir o prestígio de um clube. No site da espn a notícia do FC rendeu mais de 10 mil comentários com imensa maioria detonando o inter. Inclusive recebi vídeo de uns caras de SC queimando camisetas do inter. Ficou feio…
    Eu queria que o inter caisse mas agora eu vou torcer muito p isso.

  3. 66 disse:

    Está crescendo um movimento dos jogadores de alguns times, para que não ocorra a última rodada do Brasileirão em função do trauma pela tragédia da Chapecoense.
    Na minha opinião, a temporada 2016 do futebol brasieiro acabou. Não existe a menor graça ver uma partida de futebol esse ano.
    * Antes de ser julgado, adianto que aceito o rebaixamento do Inter sem problema nenhum.

    • Roberto disse:

      O Piffero e os jogadores colorados também acham que não há clima para última rodada. Pregam “respeito às famílias das vítimas”. Mas não abrem mão de nada.
      Que cousa…

      • Fifaldino disse:

        Aproveitando a insinuação…. e aproveitando a humanização repentina de certos elementos do blog, esperamos que a torcida gremista não cante para a Chapecoense o mesmo que cantou para o Fernandão. OK? OK.

      • Roberto disse:

        Não faço nem ideia do que você está falando. Entendo que está desesperado e quer se agarrar em qualquer coisa, mas sempre é possível ficar quieto e não passar mais vergonha. Você e a diretoria e jogadores do teu time aparentemente não sabem disso. Passar bem.

      • Maurício disse:

        ‘Humanização repentina’ KKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  4. CAMPEÃO DE TUDO disse:

    As recentes declarações e ações da direção do Inter estão nos mostrando que têm coisas piores do que ser rebaixado!

  5. INTERminável COLORADO disse:

    Os “MANDARINS” querem fechar o ano com chave de ouro. Calem-se para sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s