Mário Sérgio, ídolo e campeão de duas torcidas

ReproduçãoEntre as mais de 70 vítimas da tragédia com o avião da Chapecoense, no início da madrugada de terça-feira, e que abalou o ambiente do futebol em todos os lugares, estava um personagem que marcou a história da dupla Gre-Nal.

Mário Sérgio Pontes de Paiva (1950 – 2016), aquele que tinha tanta técnica que olhava para um lado e dava o passe preciso para o outro, revelado pelo Vitória, foi ídolo das torcidas e dos parceiros de profissão. Depois que largou o futebol, virou um dos melhores comentaristas brasileiros. Atualmente, trabalhava na Rede Fox.

Mário foi fundamental em dois momentos de Inter (no título invicto de 1979) e Grêmio (Mundial de 1983, em Tóquio).

Em outras ocasiões, treinou também o Inter e foi uma espécie de coordenador do Grêmio em um dos piores momentos do time.

Era tão diferenciado que nos dois momentos seu nome surgiu como condição para que a Dupla conquistasse títulos. Quem lembrou disso foram outros dois ídolos dos clubes, que tiveram papel decisivo na contratação do então jogador: Falcão, parceiro de Mário Sérgio no time campeão invicto, e Valdir Espinosa, técnico do campeão mundial.

Um deles foi Falcão: ‘O mais habilidoso que conheci’

– Foi o jogador mais habilidoso que conheci. Ele estava na Argentina e perguntei se queria vir jogar no Inter. Ele disse que viria correndo. Falei com o Gilberto Medeiros para trazer o Inter. O Mário era um cara maravilhoso com os amigos e foi assim em 79. Puxava a fila. Foi exemplar. A qualidade técnica do Mário era espantosa. E era aglutinador. Sempre se importava com os que menos apareciam, o roupeiro, auxiliar do massagista. Ele dizia que todo mundo bajulava os jogadores e ele se preocupava com os outros. Era louco de tão amigo.

O outro foi Espinosa: ‘Me deem o Mário e seremos campeões’

– O Mário era extraordinário, para mim um dos maiores que vi jogar. No espaço de um palmo, ele fazia a coisa acontecer. Não precisava um campo inteiro, um palmo para ele era suficiente. Eu sabia que ninguém queria o Mário porque ele era um bagunceiro. E na primeira vez que falei nele quase me mandaram embora do Grêmio. Disse: ‘me deem o Mário que nós seremos campeões’. Moral da história: se não me dessem o Mário e perdesse, a culpa seria deles. Liguei para o Mário e disse: conto contigo. Ele perguntou se o pagamento era em 30 dias e liguei para o presidente: se o pagamento dele for sem atraso, seguro a fera. E ele veio.

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Gente e marcado , , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para Mário Sérgio, ídolo e campeão de duas torcidas

  1. Arthur Vanderlei disse:

    Jogou uma enormidade em Tóquio.

    • Guilherme Pereira disse:

      Ele era o anti-herói falava a verdade sem hipocrisia não aceitava vaselinadas e talvez seja por isso que eu me identifico tanto com ele. Era craque foi um dos maiores que vi jogar. Eu tenho o VT do jogo e te digo tecnicamente ele foi o melhor daquela partida. Espinosa estava certo quando disse, “me deem Mário Sérgio e seremos campeões”.

  2. Kikomarques disse:

    Não há mais jogadores como o Mário Sérgio.

  3. Marcão disse:

    Mais uma pra longa conta de cagadas do Píffero: a morte do Mário Sérgio. Se tivesse contratado o Vesgo ao invés do Roth, ele estaria vivo agora (e, provavelmente, o Inter estaria longe do Z4…).

  4. Niederauer disse:

    Cracaço, dentro e fora de campo. Sabia muito.
    Uma correção; Mário Sérgio foi revelado pelo Flamengo, onde ficou por três temporadas.

  5. Marcião disse:

    Um dos grandes jogadores que vi jogar
    Um dos melhores jogadores que já vi na casamata

  6. telmog disse:

    Mario Sergio era singular. No Olimpico, enquanto nos juvenis ficavamos correndo em torno da pista, ele ficava indo de grande area ate grande area, tocando na bola e olhando para nos ao mesmo tempo. Nao perdia a atencao na bola enquanto isto e a bola nao fugia. Um show.

  7. CAMPEÃO DE TUDO disse:

    Certa vez perguntaram ao Mário Sérgio porque ele não abraçava de vez a carreira de treinador já que até conseguia realizar bons trabalhos. A resposta dele foi que aconteciam muitas coisas nos bastidores do futebol que o chateavam.

  8. Kiko Marques disse:

    Não pesquisei. Estou perguntando e não afirmando. O Mário Sérgio não era baiano? Ele não foi revelado pelo Vitória da Bahia?

  9. 66 disse:

    Craque.
    Campeão brasileiro invicto.

  10. Fernando Martini disse:


    Não vi jogar, mas que categoria!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s