O gol contra do tribunal

A punição ao Grêmio é tão absurda que dificilmente resistirá ao recurso que os advogados já preparam. Renato agiu errado ao chamar sua filha antes do final da partida para acomodar-se no banco de reservas e, depois, entrar em campo, mas a infração deveria ter uma punição proporcional – não a perda de mando de campo da decisão da Copa do Brasil, como o tribunal decidiu.

Ninguém foi agredido, nenhum adversário ameaçado, não houve briga com feridos nas arquibancadas, apenas uma pequena transgressão. A multa resolveria, até porque funcionaria como um alerta ao Grêmio para que evitasse a repetição do erro.

O tribunal, no entanto, decidiu punir toda a torcida, que não teve nada a ver com a questão. Os procuradores abusaram do direito de errar. Não vale também citar antecedentes da própria Carol, a filha de Renato, que agiu assim em outros jogos. O clube deveria ser julgado apenas pelo fato objetivo da partida contra o Cruzeiro.

É bem provável que o recurso do clube seja atendido.

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Grêmio e marcado , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para O gol contra do tribunal

  1. Fifaldino disse:

    Também considerei a punição absurda. Justamente por isso não se sustentará.

  2. Guasca disse:

    Concordo com a maioria: Decisão absurda!

    O irônico no acontecido foi que duas mulheres fod_eram com Grêmio em Copas do Brasil. A Raimunda e a outra aquela que chamou o Aranha de macaco.

  3. Maurício disse:

    O que pode pesar contra é a reincidência, já que outra catilanga havia invadido o mesmo gramado em setembro. O trottoir tá muito escancarado na Pé-frio.

  4. Kiko Marques disse:

    Está certo que a punição é absurda e não vai se sustentar. Mas o Renato, treinador de futebol profissional, deveria saber que não poderia levar a filha para dentro do gramado. Aliás, como o futebol está cheio de “mimimi’!! Uma das coisas que eu mais gostava de ver no futebol, era quando o árbitro apitava o fim de um jogo decisivo, um time conquistava o título é a torcida deste time, se estivesse jogando em casa, invadia o gramado para festejar junto com o jogadores. Era só festa. Hoje em dia a torcida tem de se comportar como um robô. Quem não conheceu a geral do maracanã nem a coréia do beira-rio não conheceu o lado mais bonito do futebol. A festa do povão.

    • Ricardo - DF disse:

      Bah, nem me lembra. Eu tava naquele Grenal de 1977, 1 x 0 Grêmio, gol do título feito por André Catimba. O jogo foi chegando ao final, o título, depois de tanto tempo, voltando ao tricolor, e a torcida foi invadindo o campo. A lateral do campo tava tomada de torcedores. O juiz apitou uma falta, e a manada pensou que era fim de jogo e invadiu de vez, festejando. O Inter, aproveitou e deu no pé. Depois queria a anulação do jogo. Grêmio campeão, mas que atrapalhou a minha festa, atrapalhou.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s