Renato na primeira entrevista: ‘O Grêmio será diferente’

Divulgação GrêmioRenato Portaluppi chegou no fim da manhã a Porto Alegre, em meio a uma grande confusão no Salgado Filho (um jovem de 18 anos foi assassinado no Terminal 2), foi direto para a Arena, ao lado do coordenador Valdir Espinosa e do novo diretor de futebol, Adalberto Preiss, onde deu sua primeira entrevista coletiva, logo depois de uma conversa com dirigentes (foto).

De bom humor, como sempre. Quando um repórter, ao fazer uma pergunta, lembrou que ele estava ao lado do homem que tinha dado o maior título de sua carreira (o Mundial de 1983), Renato interrompeu: – Não, eu é que dei o título a ele. Eu era que corria (Renato fez dois gols na vitória sobre o Hamburgo) – disse, provocando risos dos conselheiros que acompanhavam a entrevista.

Depois, passou a falar sobre alguns temas ligados a seu novo trabalho.

COBRANÇAS

– Quando os resultados não aparecem, o grupo é cobrado. É normal. Se tudo estivesse bem, eu não estaria aqui. Não é porque falta pouco para o fim do ano que o jogador não precisa correr e trabalhar. Eles são profissionais e serão cobrados por isso.

RENDIMENTO

– Não há um time no mundo que não sofra queda de rendimentos. Infelizmente, no Grêmio surgiu na hora errada. A situação está ruim, mas não está péssima como muitos falam. A ideia é falar pouco e trabalhar para buscar os resultados. Mais do que nunca eu preciso do torcedor.

CONFIANÇA

– Eu posso dizer isso sobre qualquer profissão. Se você vai para o trabalho sem ter a confiança do seu chefe, a motivação será menor. No futebol, a confiança é fundamental. Se você tem um treinador em quem não confia, não dará o máximo. Sempre trabalhei assim. É preciso dar carinho ao grupo e passar confiança a ele. Se o grupo vinha rendendo, é normal que volte a render.

TEMPO

– Faltam menos de 90 dias, jogos quartas e domingos. Não tenho varinha mágica para chegar aqui e pedir tempo. É preciso chegar, conversar muito e com base nas informações buscar as saídas. Preciso aproveitar o máximo deste pouco tempo. Podem ter certeza de que a partir de quarta-feira (jogo com o Atlético-PR, pela Copa do Brasil), o Grêmio já mostrará algo de diferente.

SITUAÇÃO

– É preciso aproveitar as coisas boas. Nem tudo está errado. Não pode chegar e já trocar quatro, cinco jogadores. Se os novos não rendem o suficiente, pronto, você perde quem saiu e quem entrou.

PAPO COM ROGER

– Não falei com o Roger, mas pretendo falar. Vou ligar para ele. A gente se fala e podem ter certeza de que ele vai me ajudar. De treinador para treinador, a gente não mente. Ele vai me passar o que aconteceu aqui e vai me ajudar.

ATUALIZADO

– Vejo todos os jogos, campeonato brasileiro, Série B, Europa, até porque vivo no futebol, Então, nada me escapou.

TÍTULOS

– O caminho mais curto para obter um título é a Copa do Brasil. O Grêmio está bem vivo na competição. No Brasileirão, a distância para o líder é grande demais. Mas o certo é que o Grêmio vai buscar as vitórias porque é grande. Por sua grandeza, todas as competições terão toda a atenção e o interesse.

DOUGLAS

– O Douglas é fundamental, sim. Poucos jogadores no futebol brasileiro têm tanta qualidade. Já trabalhei com eles e ele terá papel decisivo no time.

Anúncios

Sobre mariomarcos

Jornalista, natural de criciúma, fã incondicional de filmes, bons livros e esportes
Esse post foi publicado em Brasileirão, Grêmio e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Renato na primeira entrevista: ‘O Grêmio será diferente’

  1. INTERminável COLORADO disse:

    O Grêmio vai sair campeão!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s