A charge do dia

(Fraga/Reprodução)

Publicado em imprensa | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Os imprevistos do trabalho em casa

A mãe estava dando uma entrevista à BBC de Londres.

E então…

Publicado em Gente | Marcado com , , , | 6 Comentários

Não é tão simples assim/Parte 2

Na última sexta-feira, ao falar sobre a intenção do Flamengo de transmitir seus próprios jogos, lembrei no blog que o desafio não era tão simples como parecia.

Pois bem, apenas dois dias depois, a transmissão do jogo entre Flamengo e Volta Redonda virou uma grande confusão.

O site contratado pelo clube não deu conta da demanda, os torcedores ficaram revoltados com a exigência de pagamento de R$ 10 pela liberação da imagem, houve protestos (eles estão habituados a receber imagem de qualidade e gratuita) e, dez minutos antes da partida, o clube foi forçado a liberar geral.

Ou seja: perdeu dinheiro e arranhou a imagem.

O Flamengo errou desde o início.

Algo assim precisa de um bom e cuidadoso planejamento, é preciso ter garantia de qualidade técnica na transmissão, como fazem os europeus, contratar uma equipe profissional para o trabalho e preparar o público.

Ao romper contratos, forçar a edição de uma medida provisória precipitada, o Flamengo acabou comprometendo uma ideia viável para o futuro imediato. Terá de reconstruir tudo.

Publicado em Futebol | Marcado com , , , | 2 Comentários

Das leituras

“Dizem que Deus limitou a inteligência dos homens para que não invadissem seus domínios. Por que diabos não estabeleceu limites também para a ignorância?

É revoltante ver tanta gente sem máscara pelas cidades. Qual é a dessas pessoas? Não sabem que há uma pandemia? É porque não acreditam em vírus, seres minúsculos que os olhos não enxergam? (…)”

(Drauzio Varella, médico cancelorogista, em coluna na Folha)

Publicado em Das leituras | Marcado com , , , | 1 Comentário

Dica de segunda-feira

Neste 2020 tumultuado, mas que marca também os 75 anos do fim da II Guerra Mundial, a Netflix disponibiliza um belo filme sobre uma das personagens marcantes daquela tragédia. #Anne Frank, Vidas Paralelas, de Sabina Fedeli e Anna Migotto, mostra a vida da garota que passou um longo período escondida em um quarto secreto de uma residência de Amsterdã, enquanto escrevia as páginas do diário que viraria sucesso mundial e ajudaria a escancarar os crimes dos nazistas,

O diário é lido pela atriz Helen Mirren, que conduz o público pela história, que tem também uma jovem em busca as origens do problema e as vidas paralelas de cinco mulheres sobreviventes dos campos de concentração. É uma aula sobre os horrores do nazismo e a força de quem resistiu.

Confiram o trailer:

Publicado em Dica de segunda-feira | Marcado com , , , | 1 Comentário

Das redes sociais

(Reprodução)

Publicado em Gente | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Clubes x TV: nem tudo parece tão simples assim

Esta briga liderada pelo Flamengo contra os contratos exclusivos de transmissões de futebol, com ameaça de quebra de compromissos assinados, tem alguns pontos interessantes.

Vou falar só do ponto de vista do consumidor.

Quando ligo a TV para assistir a um jogo de futebol ou a uma das corridas de fórmula-1 espero encontrar um produto de qualidade. Ou seja: transmissão técnica competente e equipe profissional, de narradores a repórteres. Sempre que há mais de uma emissora transmitindo o evento, escolho – eu e a maioria dos clientes, certamente – a que em tese pode me garantir um produto melhor.

Bom, aí está a questão principal e vital para que a decisão do Flamengo se afirme.

Para permitir um bom produto, os clubes dispostos a usar sua própria TV terão de garantir equipes técnicas de alta qualidade, com dezenas de câmeras, e uma equipe de áudio profissional. Se não for assim, o eventual cliente confere na primeira chance e, na próxima, vai em busca de outra alternativa.

Ninguém suporta transmissão tecnicamente ruim (qualidade que a Globo liderar a audiência nas transmissões?) e equipe de áudio formada apenas por torcedores, com aqueles discursos que todos conhecemos. É uma linguagem que pode agradar a parte fanática da torcida, mas que cansa os que estão interessados apenas em curtir o produto ofertado.

É assim que faz a fórmula-1, por exemplo. Ela tem sua própria equipe de transmissão e vende seu produto para as emissoras – que se encarregam do áudio.

Além de tudo isso, há uma outra questão vital no Brasil: a irregularidade da internet, as redes ruins, deficientes. Alguém já conferiu jogos da Libertadores no Facebook? Nas vezes em que fiz isso, a imagem varia o tempo todo, de boa a ruim, a ponto de ser impossível identificar jogadores.

Se o Flamengo e os outros clubes resolverem todas estas questões, tudo bem. A concorrência é salutar e o público passa a ter mais alternativas. Mas é uma área em que qualquer descuido tem potencial de estragar tudo.

Publicado em Futebol | Marcado com , , , | 7 Comentários

O combate aos crimes nas redes

As principais plataformas da internet, nos Estados Unidos, estão banindo certas mensagens de Donald Trump e dos grupos de seguidores por causa de mentiras, calúnias, racismo, enfim, toda série de crimes. Começou com o Twitter e avançou para as demais.

Ou seja: o país que tem a liberdade de expressão devidamente valorizada na abertura de sua Constituição, age para controlar os crimes na internet. E para deixar claro que a liberdade tem limites – e eles estão claramente marcados quando um texto ou um vídeo roça perigosamente com o crime.

Aqui no Brasil, o combate às chamadas fake news ainda é confundido com ataque à liberdade de expressão, especialmente pelos bolsominions, principais adoradores das mentiras na internet. Não é. É objetivamente combate ao crime nas redes – como as maiores plataformas começam a definir.

 

Publicado em Gente | Marcado com , , , , | 8 Comentários

A parte de cada um

Charge, pizza, parte, divisão(Reprodução)

Publicado em Gente | Marcado com , , , | 14 Comentários

O bom negócio feito pelo Inter

Negócio bom este do Inter.

Trouxe do Corinthians o atacante Gustavo por empréstimo, garantiu uma parte dos direitos econômicos por 1,5 milhão, utilizou-o bem pouco nome e, menos de um semestre depois, fatura 2,5 milhóes ao concordar com a venda para o futebol coreano.

Mais importante: paga a dívida com o Corinthians e ainda recebe um saldo de 1 milhão, um dinheiro bom em tempos de pandemia.

Nenhum investimento de 1,5 milhão, como este feito pelo Inter, renderia tanto nestes tempos.

Foi um acerto.

Publicado em Inter | Marcado com , , | 2 Comentários